O exercício dos cinco sentidos no manejo das abelhas sem ferrão

post_5_sentidos

O manejo de abelhas sem ferrão é algo muito prazeroso como atividade recreativa, mas sempre me pergunto como explicar isso. Me ocorre que umas das explicações é que o trato cotidiano desses insetos proporciona exercitar os cinco sentidos do nosso corpo. Essa abordagem holística da atividade nos faz sentir pessoas completas diante de uma situação social cotidiana (trabalho – casa – estudo – atividades sociais) que normalmente não suprem essa demanda. Vamos a eles:

A visão: É sempre importante observar o fluxo de campeiras que entram e saem da colmeia para avaliar a sanidade das mesmas, identificar se entram com polem ou néctar, etc. A abelha Mandaguari, por exemplo, faz um balé incrível ao entrar na caixa, são dezenas de abelhas que ficam voando no entorno, entrando e saindo da colmeia. Essa atividade chega a ser, no meu caso, uma rotina quase que meditativa. É possível esquecer do tempo, da vida citadina, dos problemas e passar bons minutos ali sentado observando o vai e vem das abelhas nas caixas.

O tato: Para alimentação artificial é preciso abrir a colmeia, por vezes dar um empurrão delicado numa abelha, para avaliar a postura é preciso abrir as lamelas de cera, esse processo deixa a sua mão com própolis, melecada de cera. Algo simples, mas necessário que depende de habilidades manuais, artesanais, para manipular a vida. Parece algo muito elementar, mas esquecemos que vivemos em um mundo de produtos altamente industrializados, no qual manipulamos plásticos, vidro, papel e tecido diariamente, – esquecemos dos produtos naturais.

A audição: Ouvir o vai e vem das abelhas é algo fascinate, principalmente quando se posiciona em frente a caixa, agora, ouvir uma revoada de abelhas é fora de série, uma barulho muito grande com um movimentação espetacular. Ademais percebe-se que um enxame está saudável, principalmente de meliponas, ao escutar o barulho das abelhas dentro da caixa em determinados horários do dia.

O olfato: Cada espécie de abelhas sem ferrão (são mais de 300) tem o seu cheiro específico, abrir a caixa e sentir o cheiro da colmeia tem uma sensação única. Nos dias de chuva que as meliponas colocam muita água para fora da colmeia você sente o cheiro de longe. Crio mandaçaias há uns cinco metros do portão de entrada de casa é comum sentir o cheiro delas ao entrar e sair.

O paladar: Falou de abelha lembramos do mel. É só dizer que cria abelha que as pessoas já querem comprar ou experimentar mel. No entanto, o mel é um alimento produzido para suprir a própria colmeia e pouca gente se da conta disso. Nós criadores, tiramos apenas o excedente. Por isso não é tão fácil ter e tirar mel, ele só é possível fazendo o manejo adequado. O que pouca gente sabe que as abelhas sem ferrão tem um mel diferente do que estão acostumados a degustar e é aí que entra o paladar, cada espécie tem um mel diferente da outra. Como se não bastasse os méis variam de acordo com a florada. Dito isso dá para se ter um ideia da variedade de sabores que esses maravilhosos insetos podem nos proporcionar.