Como produzir mel de abelha Jataí no jardim de casa sem prejudicar a colmeia.

No senso comum mel é quase sinônimo de abelhas, existe muita desinformação em torno desse tema, ainda mais quando se trata das abelhas Nativas sem ferrão. Vamos a alguns conceitos básicos.

caixa de abelha jataí com mel
Caixa racional para abelha Jataí com duas melgueiras cheias de mel

Por que produzir mel com a abelha Jataí?

A abelha Jataí é umas das abelhas nativas sem ferrão mais adaptadas à vida urbana e encontrada facilmente no Brasil afora com hábitos genéricos de busca de recursos naturais.

Por conta disso, sugerimos em nossos cursos no Meliponário Tapajós essa espécie para quem deseja iniciar na criação de abelhas que não possuam ferrão para produzir mel em pequena quantidade no jardim de casa para consumo próprio sem prejudicar a colmeia.

A importância do mel para a colmeia.

O Mel é um alimento importante para subsistência da colmeia pois elas se alimentam dele como nutriente que fornece energia (carboidrato). Ao colher mel devemos ter a exata noção de que estamos tirando alimento que está estocado para a sobrevivência da colônia. 

Quando retirar mel?

No Meliponário Tapajós que fica na região sudeste do Brasil, esse período é na primavera, quando temos as floradas mais ricas em néctar. Como argumentamos anteriormente, o mel é o principal alimento da colmeia, portanto, deve-se retirar apenas o excedente para consumo humano.

Entretanto, os biomas e as espécies de abelhas nativas sem ferrão são muito diferentes, aconselha-se sempre observar quando abelhas produzem quantidade extra de alimento durante o ano. 

Como não prejudicar a colmeia.

Para não prejudicar a colmeia ao retirar mel é preciso manejo racional. Isso inclui uma caixa específica, no caso da Jataí, usamos a caixa modelo “INPA” com dois compartimentos para armazenamento de mel (melgueira) e indicamos retirar mel de apenas um dos compartimentos deixando o outro para a colmeia de modo a minimizar o impacto da falta de alimento para as abelhas. Também é aconselhável alimentação artificial calórica (xarope) após a extração. 

Por fim, nunca é demais ter plantas melíferas no jardim em que a colmeia está fixada de modo a potencializar a produção, aguá potável nas proximidades, retirar o mel com higiene para consumo e respeitar os ciclos da natureza e dos seres envolvidos nesse processo. 

No nosso curso intitulado descubra as abelhas nativas sem ferrão nós sempre tiramos pouca quantidade de mel para degustação dos participantes ao longo do ano sem prejudicar o bom funcionamento da colônia. Essa também pode ser uma estratégia a ser adotada desde que se mantenha a colmeia forte e monitorada com abundância de recursos ao redor. 

Copyright. Se gostou de algo, publique o link diretamente para esta página. Você não pode reproduzir o trabalho publicado aqui sem autorização, em nenhuma hipótese, lugar ou condição.

Por que as abelhas nativas sem ferrão estão desaparecendo?

Tratado como “Síndrome do colapso das colônias”, esse fenômeno têm alarmado pessoas devido ao significativo serviço ambiental que esses seres prestam ao meio ambiente. Com o propósito de polinizar plantas para retirar suprimentos, as abelhas impactam diretamente a produção de alimentos e a manutenção de ecossistemas naturais.

abelhas desaparecendo
Acima uma abelha da espécie Jataí polinizando a flor da planta Assa-Peixe.

Desmatamento e agrotóxico.

Podemos destacar dois fatores responsáveis por desencadear esse processo: o desmatamento e o uso indiscriminado de agrotóxicos. Ambos estão ligados diretamente ao agronegócio com a expansão de monocultura em larga escala.

Rachel Carson, em seu livro seminal “Primavera Silenciosa”, de 1962, já denunciava o uso de substâncias tóxicas lançadas no meio ambiente nos Estados Unidos. Um trabalho pioneiro que levou ao crescimento de um movimento ambientalista com a finalidade de debater o direito de todos os seres vivos.

No entanto, as coisas não melhoraram ao longo dos últimos 58 anos, desde a publicação do livro, além disso, quando pensamos no Brasil é preciso destacar que o país é líder mundial de consumo de agrotóxico, fato que impacta diretamente o ambiente de vivência das abelhas nativas sem ferrão e explica porque elas estão desaparecendo.

Abelhas Nativas versus Abelhas exôticas.

É inegável que todas as espécies de abelhas estejam desaparecendo, todavia, quando comparamos as abelhas nativas com a espécie exótica Apis Mellifera, conhecida como europeia ou africanizada, as nacionais encontram-se em desvantagem por não ter ferrão para se defender de predadores diversos e pelo fato da rainha não voar.

Em uma colônia de abelhas sociais a rainha, entre outras funções, é responsável por manter a coesão da colônia. Em síntese, isso quer dizer que se uma colmeia de abelhas sem ferrão está nidificada em um ambiente natural que vai ser desmatado ou atingido com uso de agrotóxico que ameace a integridade do grupo, como a rainha não voa, a colmeia não vai ter a capacidade de se deslocar e possivelmente vai padecer no local.

Como combater o desaparecimento das abelhas!

Com a falta de ambiente natural e o avanço da monocultura, uma forma de retardar o processo de extinção das abelhas nativas é o manejo sustentável e racional de algumas espécie. Se você tem interesse de começar a criar abelhas nativas sem ferrão para preserva-las, conheça nosso projeto sobre o assunto.

Nós no Meliponário Tapajós criamos 10 espécies de abelhas e temos conseguindo desde 2012 criar com sucesso espécies adaptadas a vida urbana como Jataí e espécies que exigem maior cuidado e investimento genético por não serem adaptadas a vida urbana como a Mandaçaia.